O uso da cafeína em combinação com a creatina tem sido um tema bastante discutido não só no desporto como também na ciência. Afinal a cafeína reforça ou impede o efeito da creatina?

Para um melhor esclarecimento, será pertinente rever de novo o efeito de cada um no corpo humano.

A creatina é uma substância produzida em nosso corpo pelos rins e pelo fígado. Também é proveniente da alimentação através da carne e outros produtos animais. A Creatina (creatina monohidratada) é uma substância incolor, cristalina e usada pelo tecido muscular para a produção de fosfocreatina, um factor muito importante na formação de adenosina trifosfato (ATP), a fonte de energia para a contracção muscular e tantas outras funções no nosso corpo.

A cafeína é um estimulante do sistema nervoso central. Entrando na corrente sanguínea, provoca inicialmente um efeito revigorante e uma diminuição do sono e da fadiga. Um pouco de café forte costuma produzir, em poucos minutos, um aumento da acuidade mental e sensorial, além de elevar o nível de energia, tornando a pessoa mais reativa.

 

Teoricamente, uma pessoa poderia tomar as duas substâncias e ter uma performance ainda maior no treino com mais energia e disposição, devido à cafeína, e força e explosão, devido à creatina. Porém, um estudo realizado com o objetivo de descobrir o efeito do uso combinado dessas substâncias pelos atletas demonstrou que a cafeína destrói o efeito da creatina contida nos músculos.

Os estudos em torno dessa questão também não foram até hoje unânimes. Em 1996, investigadores belgas publicaram um estudo que indicou que o consumo continuado de creatina aumentava a força muscular em 10-20% no atleta. O consumo de cafeína, por sua vez, não provocava um aumento de força significativo. Tudo indicava que a cafeína poderia comprometer o efeito da creatina e vice versa [*1].

Todavia, um estudo da Universidade de Luton, 6 anos depois, iria contrariar precisamente essa teoria [*2].

É do conhecimento geral que os suplementos de creatina permitem aumentar a resistência e a força. A questão é se uma única dose de cafeína melhora o desempenho do atleta mesmo que este já esteja tomando creatina.

De fato, os atletas podem beneficiar de uma esporádica dose elevada de cafeína mesmo tomando creatina, segundo o estudo britânico, mas se este consumo for continuado pode prejudicar a atuação da creatina, segundo as conclusões do estudo belga. Recentemente, um terceiro estudo de origem japonesa explica a razão dessa consequência [*3].

Os investigadores japoneses queriam identificar se a cafeína reproduzia os efeitos positivos do exercício físico nas células musculares. A resposta foi afirmativa, expondo o músculo solear de ratos à cafeína. No entanto, ao longo desse processo, a quantidade de creatina nos músculos diminuiu rapidamente.

A conclusão foi por isso inequívoca: A cafeína interfere negativamente no metabolismo da creatina ao nível das células musculares.

Se estiver a consumir um suplemento de creatina, doses altas de cafeína irão anular o seu efeito positivo. Uma toma esporádica de cafeína poderá certamente ser vantajosa. Porém, se tomar creatina diariamente, não será aconselhado unir estas duas substâncias com frequência.

Referências e Notas:

[*1] – Vandenberghe, K. et. al., Caffeine counteracts the ergogenic action of muscle creatine loading., J Appl Physiol. 80(2):452-7, Fevereiro 1996 (LINK)

[*2] – Frederico SC Franco, et. al., The effects of a high dosage of creatine and caffeine supplementation on the lean body mass composition of rats submitted to vertical jumping training, J Int Soc Sports Nutr. 8:3., Março 2011(LINK)

[*3] – Tatsuro Egawa, et. al.,Caffeine acutely activates 5′adenosine monophosphate–activated protein kinase and increases insulin-independent glucose transport in rat skeletal muscles,Metabolism – Clinical and Experimental Volume 58, Issue 11 (Pages 1609-1617), Novembro 2009 ( LINK)