Um artigo recente publicado na revista “Amino Acids” resume a evidência atual para os benefícios de saúde da suplementação de creatina não só para atletas, como também para idosos. A creatina é uma ajuda ergogênica bem conhecida, que aumenta os níveis de creatina e fosfocreatina no músculo-esquelético. A creatina aumenta a performance e a resistência à fadiga durante o exercício de alta intensidade, como a musculação, e pode aumentar os ganhos de massa muscular do treino.

As evidências apresentadas no documento sugerem que a suplementação com creatina pode ser benéfica para os idosos, mesmo aqueles que se encontram inactivos. Com o envelhecimento, geralmente surge também a perda de força e a diminuição da massa magra, bem como o declínio cognitivo. Evidências apresentadas no estudo mostram que a suplementação com creatina em idosos pode aumentar a massa magra, força, resistência à fadiga, o desempenho em actividades diárias e pode até diminuir o declínio cognitivo, aumentando os níveis de creatina cerebral.

Estes efeitos foram amplificados em pessoas idosas, que também se exercitaram. Os idosos que praticaram exercício e se suplementaram com creatina também experimentaram um aumento da densidade mineral óssea acima do que seria observado apenas com o exercício.

Os jovens atletas que procuram aumentar a força e massa muscular não são os únicos que podem beneficiar com a suplementação diária com creatina. As pessoas idosas que sofrem de atrofia muscular e declínio cognitivo podem experimentar um aumento da força muscular, aumento da função cognitiva, resistência à osteoporose e um aumento da qualidade de vida em resultado da suplementação com creatina.

A creatina é um suplemento barato que pode ser facilmente incorporado em qualquer regime de suplementos, e pode ter benefícios de saúde para pessoas de todas as idades e níveis de atividade.

Produtos recomendados:


Referência ou Notas:
Rawson, E. & Venezia, A., Use of creatine in the elderly and evidence for effects on cognitive function in young and old, Amino Acids 40(5):1349-62, Maio 2011 (LINK)