Os esteróides anabolizantes são tradicionalmente conhecidos por aumentar os níveis de testosterona, levando a um estado ananólico e o crescimento muscular.

Mas (ao contrário do que acontece com a proteína e a cretinadevido aos seus inúmeros riscos, os atletas são alertados de que os esteróides anabolizantes são uma substância contra-indicada e até proibida pela Agência Mundial Anti-Dopping (WADA). Nessa matéria, vamos evidenciar 5 efeitos associados ao seu consumo:

1. Aumento do Colesterol

É importante ressaltar que os esteróides conferem risco a praticamente todos os sistemas de órgãos do nosso organismo. Apesar disso, os seus efeitos a nível cardiovascular merecem a nossa maior atenção. Os esteróides aumentam o nível de colesterol-total [1], aumentando os níveis de Colesterol-LDL (vulgo “mau colesterol”) e suprimindo os níveis de Colesterol-HDL (vulgo “bom colesterol”) [2].

2. Enfartes do Miocárdio

Esta condição representa um risco significativamente mais elevado para doenças arteriais coronárias e tem sido associada a um número de enfartes do miocárdio (enfarte de coração), mesmo em bodybuilders jovens [3].

3. Lesões no Fígado

O Fígado parece também ser um órgão afetado com o uso de esteróides anabolizantes, levando a um aumento dos níveis de marcadores de lesão hepática [4], hepatite peliosa (condição fatal de formação de cistos hemáticos intrahepáticos) e hepatomas [5].

4. Ruturas Musculares

O sistema músculo-esquelético é também afetado, aumentando significativamente o risco de roturas tendinosas (i.e. triceps e peitoral maior) [6, 7]. Na pele, há o surgimento de acne difuso, essencialmente no pescoço e nas costas [8].

5. Alterações na Performance Sexual e Hormonal

Nos homens, temos ainda alterações na libido (com uma diminuição do apetite sexual) [9] e o surgimento de ginecomastia (aumento anormal das mamas masculinas).

As mulheres, podem sofrer alterações menstruais, virilização [5] e alopécia (perda parcial/total de cabelo) [10].

Referências:
1- Garevik N, Skogastierna C, Rane A, et al. Single dose testosterone increases total cholesterol levels and induces the expression of HMG CoA Reductase. Subst Abuse Treat Prev Policy 2012;7:12. .
2- Angell PJ, Chester N, Sculthorpe N, et al. Performance enhancing drug abuse and cardiovascular risk in athletes: implications for the clinician. Br J Sports Med 2012;46(Suppl I):i78–84. .
3- Wysoczanski M, Rachko M, Bergman SR. Acute myocardial infarction in a young man using anabolic steroids. Angiology 2008;59:376–8. .
4- Kicman AT. Pharmacology of anabolic steroids. Br J Pharmacol 2008;154: 502–21. .
5- Catlin DH, Hatton CK. Use and abuse of anabolic and other drugs for athletic enhancement. Adv Intern Med 1991;36:399–424. .
6- Sollender JL, Rayan GM, Barden GA. Triceps tendon rupture in weight lifters. J Shoulder Elbow Surg 1998;7:151–3. .
7- Marz J, Novotny . P. Pectoralis major tendon rupture and anabolic steroids in anamnesis–a case review. Rozhl Chir 2008;87:380–3. .
8- Franke WW, Berendonk B. Hormonal doping and androgenization of athletes: a secret program of the GDR. Clin Chem 1997;15:141–6. .
9- Finkelstein JS, Lee H, Burnett-Bowie SA, et al. Gonadal steroids and body composition strength and sexual function in men. N Engl J Med 2013;369: 1011–22. .
10- van Amsterdam J, Opperhuizen A, Hartgens F. Adverse health effects of anabolic-androgenic steroids. Regul Toxicol Pharmacol 2010;57:117–23. .